sexta-feira, 24 de março de 2017

Curiosidades Bíblicas: A Cruz

Certa vez, um professor comentou em aula que a cruz era um símbolo muito feio e que lamentava que o cristianismo a tenha adotado em detrimento de um outro muito mais positivo e simpático – o peixe. “Peixe é alimento, vida; cruz é morte”, dizia ele. Hoje, penso o quanto ele estava certo e errado. Certo, porque a cruz é realmente um medonho símbolo de morte; errado, porque ela ter se tornado nosso principal elemento visual não é de se lamentar. A cruz é o centro, o coração pulsante da nossa fé. No afã de sermos bacanas, muitas vezes rejeitamos o símbolo da cruz em benefício de outros mais amenos. Ao mesmo tempo, esquecemos que tudo o que aprendemos na Bíblia tem que passar, invariavelmente, pela cruz. A grande promessa da qual o Antigo Testamento nos fala e que o Novo nos mostra cumprida repousa sobre a cruz; o terrível Dia do Senhor caiu sobre a cruz; e por isso mesmo, o perdão de Deus repousa na mesma cruz. Nela é que Cristo, nosso cordeiro Pascal, foi sacrificado em nosso lugar (1Co 5.7). Aquele momento foi tão intenso, terrível e angustiante – quando Deus despejava a ira contra o pecado do mundo inteiro sobre seu Filho – que esse homem bradou: “Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?” (Mt 27.46). Foi inacreditavelmente severo. Jesus estava sozinho lá, e sabia disso. A cruz também é a mais pura contradição: para o judeu, era e é um escândalo que o glorioso Messias seja o Servo Sofredor de Isaías 53; para os gentios, um absurdo inaceitável na qual um justo paga por um criminoso. Como escreveu Paulo, “os judeus pedem sinais miraculosos, e os gregos procuram sabedoria; nós, porém, pregamos a Cristo crucificado, o qual, de fato, é escândalo para os judeus e loucura para os gentios” (1Co 1.22-23). É isso mesmo: escândalo e loucura. Mas tirem a cruz da nossa fé e sobrará apenas uma religião igual a qualquer outra. A cruz é tão central que o único ritual que Jesus nos deixou – a Santa Ceia – é a celebração e memória da Sua morte. “Isto é o meu corpo dado em favor de vocês; façam isto em memória de mim” (Lc 22.19). Fazemos isto – ou deveríamos fazer – todas as vezes que nos reunimos como igreja: lembrar o que Cristo fez. É o único motivo para nos reunirmos. Fora disso, somos clube mesmo. Por estas razões é que co-memoramos (isto é, co-celebramos, lembramos juntos) neste feriado de Sexta-Feira Santa e Páscoa a imensidão da obra que foi feita por Deus. Por isso tudo, não precisamos e não devemos tentar maquiar o que aconteceu: encontramos a salvação naquele dia terrível. Sim, naquela cruz horrorosa. Mas somente passando por ela é que encontraremos a bela e serena manhã da ressurreição.

quinta-feira, 23 de março de 2017

Mensagem: Eu Acredito em Milagre!

Eu acredito em milagre. E quem não acredita?
O cego crê e nem precisa ver.
O surdo também crê, mesmo sem ouvir.
E pra crer, o mudo não precisa falar.
Nem o coxo sair pra caminhar…
O milagre da vida que todo dia acontece e quando não se espera logo anoitece, vindo de repente a luz do sol, anunciando mais uma nova manhã!
Eu acredito em milagre e não preciso pagar por isso, até porque não tem preço que pague… Por mais que queiram vendê-lo.
Milagre é Dom que Deus dá, é dádiva pra todo ser!
Mas tem o milagre Maior, que não se pode explicar, que é ter de Deus o Amor pra quem crê em Jesus, Salvador.
Você pode crer se quiser, não precisa dinheiro no bolso, na carteira ou na conta do banco.
O milagre está bem aí, bem diante de você, ao seu alcance pra transformar de criatura em filho, todo que no poder do Evangelho confiar, pra viver nova vida, sendo servo daquEle que salva, sim, servindo aquEle que salva, que É o único que pode salvar.
Seja cego, mudo ou surdo, e até quem aqui não caminhe, recebendo de Deus o Milagre, no Caminho que é Cristo andará e pra sempre com Deus estará!
É por isso que creio em milagre! Não tem como comprar, pois não há preço que pague…
E você, crê também em milagre?
Em sua vida milagre já tem?
Vida morta em vida bem viva, só Jesus pode dar, mais ninguém!
É por isso que creio em milagre!
Não tem como comprar, pois não há preço que pague. Só Jesus pode dar, mais ninguém!
Tem o preço tão caro, ninguém pode pagar. Foi o preço do sangue do Único Filho, que Deus deu por Amor, pra fazer o Milagre, o maior Milagre, que é vida da morte salvar.

quarta-feira, 22 de março de 2017

Batismo no Espírito Santo e Batismo nas águas

Batismo no Espírito Santo e Batismo nas Águas
Introdução:
Todos nós ao nascermos do ventre de nossas mães não passamos de natimortos espirituais. Ou seja, já nascemos espiritualmente mortos, separados de Deus, sem conhecê-lo, pois segundo a carne somos filhos de Adão, aquele que introduziu o pecado no mundo e através de quem todos nós morremos.
 “Portanto, assim como por um só homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado, a morte, assim também a morte passou a todos os homens, porque todos pecaram.” Romanos 5:12
Se o homem nasce, cresce e morre, simplesmente isto, está fatalmente condenado à perdição, pois nunca jamais conheceu a Deus, ou seja, não tem a vida eterna.
“E a vida eterna é esta: que te conheçam a ti, o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste.” João 17:3
E para conhecer a Deus é preciso nascer de novo, da água e do Espírito, como ensina o Senhor Jesus Cristo:
“A isto, respondeu Jesus: Em verdade, em verdade te digo que, se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus.” João 3:3
“Respondeu Jesus: Em verdade, em verdade te digo: quem não nascer da água e do Espírito não pode entrar no reino de Deus.” João 3:5
Nascer da água significa ser batizado em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, como ensina o Mestre:
“Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo;” Mateus 28:19
E nascer do Espírito significa ser batizado com o Espírito Santo, como está escrito:
“Disse João a todos: Eu, na verdade, vos batizo com água, mas vem o que é mais poderoso do que eu, do qual não sou digno de desatar-lhe as correias das sandálias; ele vos batizará com o Espírito Santo e com fogo.” Lucas 3:16
E notemos bem que ambos os batismos são requeridos para a salvação. Veja estes trechos bíblicos onde os dois batismos são decisivamente mencionados nas Escrituras:
“Ouvindo os apóstolos, que estavam em Jerusalém, que Samaria recebera a palavra de Deus, enviaram-lhe Pedro e João; os quais, descendo para lá, oraram por eles para que recebessem o Espírito Santo; porquanto não havia ainda descido sobre nenhum deles, mas somente haviam sido batizados em o nome do Senhor Jesus. Então, lhes impunham as mãos, e recebiam estes o Espírito Santo.” Atos 8:14-17
Na situação acima, veja que primeiramente foram batizados nas águas, nasceram da água, e posteriormente, foram batizados com o Espírito Santo, nasceram do Espírito, foram regenerados e passaram a ser nova criatura.
Agora veja a situação em que primeiramente foram batizados com o Espírito Santo, e depois batizados nas águas:
“Ainda Pedro falava estas coisas quando caiu o Espírito Santo sobre todos os que ouviam a palavra. E os fiéis que eram da circuncisão, que vieram com Pedro, admiraram-se, porque também sobre os gentios foi derramado o dom do Espírito Santo; pois os ouviam falando em línguas e engrandecendo a Deus. Então, perguntou Pedro: Porventura, pode alguém recusar a água, para que não sejam batizados estes que, assim como nós, receberam o Espírito Santo? E ordenou que fossem batizados em nome de Jesus Cristo. Então, lhe pediram que permanecesse com eles por alguns dias.” Atos 10: 44-48
Esta última situação foi o que se deu no meu caso específico, pois primeiramente fui batizado com o Espírito Santo, posteriormente, dias depois, fui batizado nas águas.
E, novamente, nos diz o Senhor Jesus:
“E disse-lhes: Ide por todo o mundo e pregai o evangelho a toda criatura. Quem crer e for batizado será salvo; quem, porém, não crer será condenado.” Marcos 16:15,16
Vejamos que o Senhor NÃO diz neste trecho bíblico: “quem crer será salvo”, mas “quem crer e for batizado será salvo”. E isto também está em Romanos 8:9:
“Vós, porém, não estais na carne, mas no Espírito, se, de fato, o Espírito de Deus habita em vós. E, se alguém não tem o Espírito de Cristo, esse tal não é dele.”
E a Bíblia nos explica ambos os batismos, e é pela Bíblia que podemos entender que o batismo nas águas significa a submissão a Cristo e o perdão dos pecados, enquanto o batismo com o Espírito Santo é o novo nascimento.
“Respondeu-lhes Pedro: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo para remissão dos vossos pecados, e recebereis o dom do Espírito Santo.” Atos 2:38
O Batismo nas Águas
“Estes eram os espíritos daqueles que não tinham obedecido a Deus, quando ele ficou esperando com paciência nos dias em que Noé estava construindo a arca. As poucas pessoas que estavam nela, oito ao todo, foram salvas pela água. Aquela água representava o batismo, que agora salva vocês. Esse batismo não é lavar a sujeira do corpo, mas é o compromisso feito com Deus, o qual vem de uma consciência limpa. Essa salvação vem por meio da ressurreição de Jesus Cristo,” 1 Pedro 3:20-21
Muitos há que ouvem o Evangelho e o desprezam, morrem sem nunca terem sido batizados nas águas e nem no Espírito Santo. Estão condenados por causa de seus pecados, segundo as Escrituras.
Há os que ouvem o Evangelho e se simpatizam com ele, chegando a ser batizados nas águas, porém morrem sem ter recebido o batismo com o Espírito Santo. Também estes morrem perdidos, pois diz o Senhor:
“Respondeu Jesus: Em verdade, em verdade te digo: quem não nascer da água e do Espírito não pode entrar no reino de Deus.” João 3:5
E novamente:
“E, se alguém não tem o Espírito de Cristo, esse tal não é dele.” Romanos 8:9
O batismo nas águas é um ato ministrado por discípulos do Senhor Jesus Cristo aos que optam por segui-lo. Todavia o batismo no Espírito Santo é um ato exclusivamente divino, ministrado pelo próprio Deus:
“Eu vos batizo com água, para arrependimento; mas aquele que vem depois de mim é mais poderoso do que eu, cujas sandálias não sou digno de levar. Ele vos batizará com o Espírito Santo e com fogo.” Mateus 3:11
E, finalmente, há os que verdadeiramente crêem no Evangelho, são batizados nas águas e são batizados no Espírito Santo. São estes os filhos de Deus. São estes nos quais se cumprem as palavras de Deus quando ele fala sobre a Nova Aliança:
“Eis aí vêm dias, diz o SENHOR, em que firmarei nova aliança com a casa de Israel e com a casa de Judá. Não conforme a aliança que fiz com seus pais, no dia em que os tomei pela mão, para os tirar da terra do Egito; porquanto eles anularam a minha aliança, não obstante eu os haver desposado, diz o SENHOR. Porque esta é a aliança que firmarei com a casa de Israel, depois daqueles dias, diz o SENHOR: Na mente, lhes imprimirei as minhas leis, também no coração lhas inscreverei; eu serei o seu Deus, e eles serão o meu povo. Não ensinará jamais cada um ao seu próximo, nem cada um ao seu irmão, dizendo: Conhece ao SENHOR, porque todos me conhecerão, desde o menor até ao maior deles, diz o SENHOR. Pois perdoarei as suas iniqüidades e dos seus pecados jamais me lembrarei.” Hebreus 8:8-12
O Batismo com o Espírito Santo
“Quando, porém, se manifestou a benignidade de Deus, nosso Salvador, e o seu amor para com todos, não por obras de justiça praticadas por nós, mas segundo sua misericórdia, ele nos salvou mediante o lavar regenerador e renovador do Espírito Santo, que ele derramou sobre nós ricamente, por meio de Jesus Cristo, nosso Salvador, a fim de que, justificados por graça, nos tornemos seus herdeiros, segundo a esperança da vida eterna.” Tito 3:4-7
“Nele, digo, no qual fomos também feitos herança, predestinados segundo o propósito daquele que faz todas as coisas conforme o conselho da sua vontade, a fim de sermos para louvor da sua glória, nós, os que de antemão esperamos em Cristo; em quem também vós, depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação, tendo nele também crido, fostes selados com o Santo Espírito da promessa; o qual é o penhor da nossa herança, ao resgate da sua propriedade, em louvor da sua glória.” Efésios 1:11-14
“E não entristeçais o Espírito de Deus, no qual fostes selados para o dia da redenção.” Efésios 4:30
É, pois, evidente pelos trechos bíblicos acima que ninguém pode ser regenerado e salvo senão mediante a atuação do Espírito de Deus. E sendo a regeneração o novo nascimento, o nascer do Espírito, é igualmente evidente que sem o batismo com o Espírito Santo não há salvação.
“Ou não sabeis que os injustos não herdarão o reino de Deus? Não vos enganeis: nem impuros, nem idólatras, nem adúlteros, nem efeminados, nem sodomitas, nem ladrões, nem avarentos, nem bêbados, nem maldizentes, nem roubadores herdarão o reino de Deus. Tais fostes alguns de vós; mas vós vos lavastes, mas fostes santificados, mas fostes justificados em o nome do Senhor Jesus Cristo e no Espírito do nosso Deus.” 1 Coríntios 6:9-11
Também já vimos, pela Bíblia, que só tem a vida eterna quem conhece a Deus:
“E a vida eterna é esta: que te conheçam a ti, o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste.” João 17:3
E ninguém pode conhecer a Deus sem o Espírito Santo:
“Por isso, vos faço compreender que ninguém que fala pelo Espírito de Deus afirma: Anátema, Jesus! Por outro lado, ninguém pode dizer: Senhor Jesus!, senão pelo Espírito Santo.” 1 Coríntios 12:3
“Tudo me foi entregue por meu Pai. Ninguém conhece o Filho, senão o Pai; e ninguém conhece o Pai, senão o Filho e aquele a quem o Filho o quiser revelar.” Mateus 11:27
Esta revelação, o conhecimento de Deus, não depende de homens, mas é um ato sobrenatural divino:
“Indo Jesus para os lados de Cesaréia de Filipe, perguntou a seus discípulos: Quem diz o povo ser o Filho do Homem? E eles responderam: Uns dizem: João Batista; outros: Elias; e outros: Jeremias ou algum dos profetas. Mas vós, continuou ele, quem dizeis que eu sou? Respondendo Simão Pedro, disse: Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo. Então, Jesus lhe afirmou: Bem-aventurado és, Simão Barjonas, porque não foi carne e sangue que to revelaram, mas meu Pai, que está nos céus.” Mateus 16:13-17
O que as Escrituras estão dizendo é que a salvação é um ato soberano e reservado de Deus, operado exclusivamente pelo Pai, pelo Filho e pelo Espírito Santo, não tendo o homem nenhuma participação nela. Em outras palavras, a porcentagem de contribuição que o homem pode dar para a sua própria salvação é igual à zero por cento, fato este que abala e que faz ruir solo abaixo toda e qualquer doutrina religiosa que reivindique a participação humana na salvação da alma. Mas é precisamente isto o que dizem as Escrituras:
“E clamavam em grande voz, dizendo: Ao nosso Deus, que se assenta no trono, e ao Cordeiro, pertence a salvação.” Apocalipse 7:10
“Depois destas coisas, ouvi no céu uma como grande voz de numerosa multidão, dizendo: Aleluia! A salvação, e a glória, e o poder são do nosso Deus,” Apocalipse 19:1
“Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus;” Efésios 2:8
“De Deus dependem a minha salvação e a minha glória; estão em Deus a minha forte rocha e o meu refúgio.” Salmos 62:7
O homem responde à salvação de Deus, obedecendo-o pela fé, sendo que a obediência que o salva não é a sua própria (a do homem), mas a obediência de Cristo, o qual cumpriu perfeitamente toda a Lei de Moisés e se ofereceu, sem pecado, como sacrifício pelos nossos pecados.
"Porque, como, pela desobediência de um só homem, muitos se tornaram pecadores, assim também, por meio da obediência de um só, muitos se tornarão justos." Romanos 5:19

segunda-feira, 20 de março de 2017

Esboço de sermão pastor Euzebio: As respostas de Deus no deserto

"As respostas de Deus no deserto" 
Texto Bíblico: Gênesis 21:14-21
Introdução: A história da vida de Hagar é cheia de lutas, fugas, sofrimento, solidão, angústia, medo, mas sobretudo, de superação, sustentação, de provisão, e intervenção divina a seu favor e de uma forte experiência divina nos momentos mais cruciais de sua vida. A trajetória dessa mulher se assemelha a de muitas pessoas que levam uma vida de solidão e abandono, sempre enfrentando os sofrimentos no deserto da vida.  A Bíblia em Gênesis 16, começa a narrar história de Hagar. Nos conta que ela era egípcia e serva de Sara, esposa de Abraão. Embora não seja mencionado devia ser uma mulher muito formosa, trabalhadora, que servia na casa da família patriarcal. Sara persuade Abraão a deitar-se com a escrava Hagar e gerar um filho. Sara era estéril e incrédula não considerou a promessa de Deus sobre o filho que seria sua descendência. Encontrando-se grávida, Hagar começa a desprezar Sara, que então passa a humilhá-la até ponto de Hagar fugir em direção ao deserto. Gn16.
É na solidão do deserto que Hagar tem um encontro com o anjo de Deus, que a confronta a rever seus pensamentos e caminhos, e a se reconciliar com sua senhora. “Tendo-a achado o Anjo do SENHOR junto a uma fonte de água no deserto, junto à fonte no caminho de Sur, disse-lhe: Hagar, serva de Sarai, donde vens e para onde vais? Ela respondeu: Fujo da presença de Sarai, minha senhora. Então, lhe disse o Anjo do SENHOR: Volta para a tua senhora e humilha-te sob suas mãos”. Gênesis 16:7-9. Nunca podemos prosperar se temos no coração mágoa, ressentimento, que nos impedem de prosseguir e receber as bênçãos de Deus em nossa vida. O segredo é nos humilharmos. ” Humilhai-vos na presença do Senhor, e ele vos exaltará”. Tiago 4:10. Hagar atende a voz de Deus, se humilha e se arrepende de seu ato, e recebe uma promessa sobre sua vida e posteridade: seu filho Ismael, filho de Abraão, seria um poderoso guerreiro e geraria uma nação forte e abençoada.
Como Agar chegou ao deserto: seu filho Ismael, adolescente, brincava com Isaque, com pouco mais de dois anos, filho de Sara com Abraão. Gera-se uma contenda quando Ismael passa a zombar de Isaque. Dessa contenta, Hagar é expulsa da casa de Abraão, seguindo errante pelo deserto. Novamente Hagar se depara com o pior de seus inimigos: o deserto. E é nesse lugar árido, sem vida, que assola em sua alma a solidão, o medo, a decepção, os maus tratos, a dor lacerante da rejeição, e do desprezo recebidos. É muito peso numa alma aflita, como se não bastasse, ainda se depara com a escassez, a fome e a sede que o deserto produz. Para aumentar a aflição dessa valente mulher, seu único filho, Ismael, começa a sucumbir de fome e sede. Era muita dor e sofrimento… sem nenhuma perspectiva que gerasse alternativa ou solução para o seu drama, Hagar chega ao limite de suas forças. Hagar deixa Ismael combalido, debaixo de um arbusto e segue a aproximadamente 800 metros de distância, sozinha e aflita, toma essa decisão desesperadora de não ver seu filho morrer. É nesse lugar solitário que, ela geme e chora a sua dor. Muitos de nós carregamos o peso das dores dos sofrimentos do deserto da vida, mas é nesse momento de solidão, onde as perspectivas se acabam, onde as portas se fecham, onde os gigantes e inimigos da alma se revelam, que Deus manifesta a sua grande misericórdia, vindo em nosso socorro.
As respostas de Deus no deserto:
1. Ele sempre terá a última resposta. ”Tendo-se acabado a água do odre, colocou ela o menino debaixo de um dos arbustos e, afastando-se, foi sentar-se defronte, à distância de um tiro de arco; porque dizia: Assim, não verei morrer o menino; e, sentando-se em frente dele, levantou a voz e chorou”.
– O estado de seu filho Ismael de subnutrição, com sede, desfalecido, foi cortando o coração de Hagar, ao ponto do desespero entrar em sua alma, e não ver outra resposta ao seu drama, que não fosse a morte.
– Para Hagar, no deserto, sozinha, abandonada, só lhe restava gemer de dor, as perspectivas acabaram, não havia mais jeito, acabou, acabou… Era o grito agonizante de uma alma aflita.
– Mas nem tudo está perdido quando se crêr em Deus, é d’Ele a última palavra. Ele tem a chave da morte e do inferno. AP 1:18,19
2. No deserto Deus providenciará uma alternativa. Abrirá uma porta fechada. “Assim diz o SENHOR ao seu ungido, a Ciro, a quem tomo pela mão direita, para abater as nações ante a sua face, e para descingir os lombos dos reis, e para abrir diante dele as portas, que não se fecharão. Eu irei adiante de ti, endireitarei os caminhos tortuosos, quebrarei as portas de bronze e despedaçarei as trancas de ferro; dar-te-ei os tesouros escondidos e as riquezas encobertas, para que saibas que eu sou o SENHOR, o Deus de Israel, que te chama pelo teu nome. Por amor do meu servo Jacó e de Israel, meu escolhido, eu te chamei pelo teu nome e te pus o sobrenome, ainda que não me conheça”. Isaías 45:1-4
– Te mostrará um poço de águas vivas. “Abrindo-lhe Deus os olhos, viu ela um poço de água, “ Muitos dos sofrimentos que passamos nos impedem de ver que diante de nós, Deus, já proveu a bênção que tanto almejamos.
O poço de águas vivas estava diante de Hagar, mas as suas lágrimas a impediam de ver. Foi assim com a mulher samaritana, e é assim que muitas vezes acontece conosco. João 4
3. Saciará a tua sede em tuas necessidades. “Os aflitos e necessitados buscam águas, e não as há, e a sua língua se seca de sede; mas eu, o SENHOR, os ouvirei, eu, o Deus de Israel, não os desampararei. Abrirei rios nos altos desnudos e fontes no meio dos vales; tornarei o deserto em açudes de águas e a terra seca, em mananciais. Plantarei no deserto o cedro, a acácia, a murta e a oliveira; conjuntamente, porei no ermo o cipreste, o olmeiro e o buxo, para que todos vejam e saibam, considerem e juntamente entendam que a mão do SENHOR fez isso, e o Santo de Israel o criou”. Isaías 41:17-20
4. Derrotará os teus medos e inimigos. ( “Não temas”) “Deus, porém, ouviu a voz do menino; e o Anjo de Deus chamou do céu a Hagar e lhe disse: Que tens, Hagar? Não temas, porque Deus ouviu a voz do menino, daí onde está. Ergue-te, levanta o rapaz, segura-o pela mão, porque eu farei dele um grande povo”. Gn 21:17,18
– O deserto não será motivo de pavor e derrota. Deus te ensinará a viver em meio as lutas e a vencer todas as batalhas.
– Moisés viveu 40 anos no deserto e aprendeu a depender de Deus e a vencer seus inimigos.
– Elias sofreu depressão e angústia, no deserto, mas Deus lhe enviou socorro, comida e bebida para chegar até o monte Horebe, na presença do Todo Poderoso.
– João Batista viveu a vida inteira no deserto e a vencer todo o pavor que ele representa para muitos.
– Jesus foi tentado no deserto por Satanás, mas Deus lhes deu a vitória.
5. Restaurará os teus sonhos e fará você viver de novo. 
– Suas promessas serão cumpridas em tua vida. Quando Deus abrir teus olhos espirituais, restaurará os sonhos que fora perdido no deserto da vida.
“Quanto a Ismael, eu te ouvi: abençoá-lo-ei, fá-lo-ei fecundo e o multiplicarei extraordinariamente; gerará doze príncipes, e dele farei uma grande nação.” Gênesis 17:20
6. Mudará a tua sorte e o teu humor. ” viu ela um poço de água, e, indo a ele, encheu de água o odre, e deu de beber ao rapaz.” Gn 21:19
– Óleo de alegria em vez de pranto/ veste de louvor em vez de espírito angustiado. “ …e a pôr sobre os que em Sião estão de luto uma coroa em vez de cinzas, óleo de alegria, em vez de pranto, veste de louvor, em vez de espírito angustiado; a fim de que se chamem carvalhos de justiça, plantados pelo SENHOR para a sua glória”. Isaías 61:3
7. Promoverá a esperança. A tua posteridade será uma bênção.
– Deus havia prometido que abençoaria Ismael filho de Abraão, e assim ele o adestrou como poderoso flecheiro, para vencer os inimigos do deserto.
– foi no deserto que Ismael casou e viveu, gerando uma nação de valentes e uma posteridade abençoada. ” Deus estava com o rapaz, que cresceu, habitou no deserto e se tornou flecheiro; habitou no deserto de Parã, e sua mãe o casou com uma mulher da terra do Egito”.
Conclusão: Passar pela aridez do deserto é cansativo, difícil, dolorido. Mas a recompensa é e sempre será um ser humano melhor, que sabe batalhar, que sabe superar seus próprios limites.
Então, se você está passando por um deserto nesse momento, tenha calma. Confie no Senhor e se esforce para aprender tudo aquilo que Ele quer te ensinar, pois quanto mais rápido aprender, mais rápido sairá do deserto.
E sabe o que é melhor em tudo isso? Que após sair do deserto, Deus entregará grandes presentes em tuas mãos.
Deserto, então, além de local de aprendizado, é local de agradecer e glorificar a Deus.

Cine BlogIEP: A VERDADE QUE TODOS PRECISAM OUVIR!!! | ANIMA GOSPEL

sábado, 18 de março de 2017

Os Livros da Bíblia: 2 Pedro

Uma pessoa reage de modo diferente a uma tempestade inesperada e a um automóvel que vem repentinamente em sua direção. Do mesmo modo o conselho de um amigo de confiança recebe mais atenção do que o conselho que é dado por uma pessoa estranha ou ainda pela imaginação temerosa de uma criança. A segunda epistola de Pedro é uma carta de advertência escrita com a autoridade de alguém corajoso e experiente – um fiel apostolo. Esta foi a última comunicação deste grande guerreiro de Cristo. Pouco tempo depois ele seria morto, martirizado por causa de sua Fé. Anteriormente, Pedro havia escrito com a finalidade de confortar e encorajar os crentes em meio ao sofrimento e à perseguição – aos violentos ataques externos. Porém, três anos mais tarde, nesta carta, que continha suas últimas palavras, o apóstolo escreveu com a finalidade advertir os cristãos contra um ataque interno – a complacência e as heresias. Falou sobre o dever de permanecermos firmes e mantermos aquilo que não é negociável em nossa vida de Fé. Falou também sobre crescermos e amadurecermos na fé, rejeitando tudo aquilo que distorça a verdade. Seguindo estes conselhos, temos a garantia de nos tornarmos indivíduos que honram a Cristo, e igrejas que estão centradas nEle. Após uma breve saudação (1:1), Pedro nos dá o antídoto para a estagnação e a falta de visão na vida cristã (1:2-11). A seguir, ele explica que seus dias estão contados (1:12-15) e que os crentes devem ouvir as suas mensagens e as palavras das Escrituras (1:16-21). Prosseguindo, Pedro lhes dá uma severa e direta advertência contra os falsos mestres (2:1-22). Estes se tornarão predominantes nos últimos dias (2:1,2), farão ou dirão qualquer coisa por dinheiro (2:3), rejeitarão e desprezarão as coisas de Deus (2:2,10,11), farão o que quiserem (2:12-17), serão orgulhosos e jactanciosos (2:18,19), e serão finalmente julgados e punidos por Deus (2:3-10,20-22). Pedro conclui sua breve carta, explicando por que a escreveu (3:1-18): para lembra-los das palavras dos profetas e apóstolos que predisseram a vinda de falsos ensinadores,  para dar as razões da demora da volta de Cristo (3:1-13), e encorajá-los a estarem atentos às heresias e a crescerem na fé genuína (3:14-18). Endereçada áqueles que compartilham a mesma fé preciosa, 2 Pedro poderia ter sido escrita para nós. Nosso mundo está repleto de falsos profetas e de falsos mestres, que reivindicam ter a verdade, demandando atenção, lealdade e sujeição. Ouça e leia atentamente a mensagem de Pedro e coloque as suas advertências em prática. Decida-se a crescer em seu conhecimento a respeito de Cristo e a rejeitar todos aqueles que pregam qualquer coisa que não esteja de acordo com a Palavra de Deus.
Fonte: Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal (CPAD)

sexta-feira, 17 de março de 2017

Receitas Abençoadas:Gelado de Ouro Branco

INGREDIENTES PARA O CREME
1 litro de leite
1 lata de leite condensado
4 colheres de sopa amido de milho
1 lata de creme de leite
3 gemas
3 colheres de sopa de chocolate em pó
PARA O GANACHE BRANCO
1 barra (195g) de chocolate branco nobre
1 lata de creme de leite
bombons Ouro Branco a gosto
PARA A COBERTURA
3 claras
6 colheres de sopa de açúcar
1 lata de creme de leite
COMO FAZER GELADO DE OURO BRANCO 
MODO DE PREPARO DO CREME
Leve o leite, o leite condensado, o amido de milho e as gemas ao fogo para engrossar.
Quando estiver no ponto, desligue o fogo e acrescente uma lata de creme de leite.
Retire metade do creme da panela e reserve.
Na metade do creme que ficou na panela, acrescente o chocolate em pó e volte ao fogo, mexendo até o creme cozinhar. Reserve.
PARA O GANACHE BRANCO
Derreta o chocolate em banho-maria ou no micro-ondas.
Acrescente o creme de leite e reserve.
PARA A COBERTURA
Bata as claras com o açúcar até o ponto de neve.
Acrescente o creme de leite e misture delicadamente.
MONTAGEM
Em um refratário, faça uma camada de creme branco e uma camada de creme de chocolate. Misture os dois cremes com o auxílio de um garfo. Sobre os cremes, acrescente uma camada de bombom Ouro Branco. Cubra os bombons com o ganache branco. Por último, acrescente a cobertura e decore a gosto. Sirva gelado.
Fonte: Cybercook